a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 624, referente ao período de 18 a 24 de junho de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 99612.0904 (Tim) e (81) 99277.3630 (Claro) ***** WhatsApp: +55 81 99612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

domingo, 27 de dezembro de 2015

DINDIN, SUAVE SACANAGEM

         
     
    “Daslan, estou com três blusas da Reserva que são a sua cara”, disse-me o Felix Andrade, assim que entrei há três dias na boutique Kara Nova. Minha resposta: “Vou levá-las e topo o desafio de posar como modelo. Vou criar uma crônica para reflexão inspirada nessas frases." Promessa cumprida. 
      DINDIN, dinheiro, uma arma tão maravilhosa quanto perigosa. Pode mudar uma existência, para o bem ou para o mal, a depender da maneira de como utilizá-lo. Desconheço a ganância, graças a Deus, pois compactuo com a ideia de que dinheiro deve ser usado com sabedoria, SUAVE, já que não levaremos nada de material para a Grande Viagem. Na minha opinião, sabe qual seria a maior SACANAGEM que faríamos a nós mesmos? Ter vivido no planeta Terra sem tempo para valorizar os pequenos gestos e as pequenas coisas do dia a dia. 
----------
- Daslan Melo Lima, em Timbaúba, Pernambuco, no último domingo de 2015.

*****

sábado, 19 de dezembro de 2015

O MELHOR PRESENTE É SEMPRE O AMOR

        
Eu no salão da AABB, em Timbaúba, PE, na quarta-feira, 17, após minha aula de atividade física Treinamento Funcional.
          
          Lembro-me perfeitamente da primeira vez que ouvi falar em Papai Noel.  Eu era criança e vi um amiguinho e uma amiguinha brincando com um cartão de boas festas onde havia a imagem de um senhor simpático no meio de um campo de neve. "A gente coloca o sapato no quintal e amanhã o presente de Papai Noel vai aparecer", diziam confiantes.
         Nos dias que se seguiram, recordo ter visto várias crianças vizinhas com bolas, carrinhos, bonecas... Só  eu não tinha recebido nada. Fiquei com muita raiva dele. 
       Quando descobri que "o bom velhinho" não passava de uma fantasia, apeguei-me à màgica história do menino Jesus Cristo, o filho do Senhor do Universo, que nasceu numa humilde estribaria, dando ao mundo uma imorredoura lição de amor, sabedoria e humildade.


A singela lapinha criada por Nem Arte na Praça Bolívar Melo, conhecida como Praça do Barro, em Timbaúba, PE. 
        Faz anos que o menino que um dia eu fui fez as  pazes com a figura de Papai Noel. Consegui perdoá-lo por todos os presentes que não me deu. Faz anos que ganhei do Divino Mestres três brinquedos fantásticos que norteiam  minha caminhada no planeta: Amor, Fé e  Esperança. 
      Mas agora vamos cantar com o conjunto  Roupa Nova aquela canção de Mauricio Gaetani Tapajós, "Natal todo dia",  https://www.youtube.com/watch?v=ZxjR8-pI_NI

Um clima de sonho se espalha no ar
Pessoas se olham com brilho no olhar
A gente já sente chegando o Natal
É tempo de amor, todo mundo é igual
*****
Os velhos amigos irão se abraçar
Os desconhecidos irão se falar
E quem for criança vai olhar pro céu
Fazendo um pedido pro velho Noel
 *****
Se a gente é capaz de espalhar alegria
Se a gente é capaz de toda essa magia
Eu tenho certeza que a gente podia
Fazer com que fosse Natal todo dia
 *****
Um jeito mais manso de ser e falar
Mais calma, mais tempo pra gente se dar
Me diz por que só no Natal é assim?
Que bom se ele nunca tivesse mais fim
*****
Que o Natal comece no seu coração
Que seja pra todos sem ter distinção
Um gesto, um sorriso, um abraço, o que for
O melhor presente é sempre o amor
 *****
Se a gente é capaz de espalhar alegria
Se a gente é capaz de toda essa magia
Eu tenho certeza que a gente podia
Fazer com que fosse Natal todo dia
----------

 ***** 

sábado, 12 de dezembro de 2015

PASSARELA CULTURAL, DESTAQUE EMPRESARIAL E PROFISSIONAL 2015

      
       Compartilho com você, leitor, leitora, a emoção de uma homenagem que recebi ontem, sexta-feira, 11, no salão de eventos da Escola Santa Maria, em Timbaúba, PE, durante a “Noite das Celebridades”, festividade promovida pela Globo Premier/Qualidade Brasil.  
    Um troféu de Destaque Empresarial e Profissional foi concedido a PASSARELA CULTURAL, concomitantemente pelo reconhecimento da minha atividade de colunista sociocultural do jornal Correio de Notícias e da revista Timbaúba em Foco.  


      Agradeço a Deus pelo dom de escrever, pela missão de poeta. Agradeço minha parceria com a empresa DJ Publicações, editora do Correio de Notícias e da Timbaúba em Foco e a todos que me prestigiam lendo as coisas que escrevo, tanto na mídia impressa como no mundo virtual.
      Minha eterna gratidão às pedras do Rio Canhoto de São José da Laje, a cidadezinha alagoana onde nasci, testemunhas silenciosas das minhas primeiras inspirações, responsáveis por ter me tornado um menino-grande, parceiro do tempo, aprendendo a espalhar sentimentos ao vento.
-----------
      Eu não poderia deixar de registar, também, o meu reconhecimento ao jornalista  Fernando Machado, que nos anos 90 convidou-me para assinar uma coluna social na extinta revista Gente Bonita. Também ao meu amigo  Walfredo Silva, o Wal Boyeditor do Timbafest, site de entretenimento que marcou época em Timbaúba, onde PASSARELA CULTURAL deu os primeiros passos. Ao Dido Borgesque me incentivou a escrever sobre nossas misses eternas no MBonB; ao Roberto Macêdopelas inúmeras vezes que transcreveu as secções Sessão Nostalgia para o Miss News, colaborando para dar ao meu nome visibilidade e credibilidade; e ao Evandro Silvaque me ensinou o abc de como criar e administrar um blog.


*****

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

É DEZEMBRO OUTRA VEZ


    Acredito que muita gente tem a impressão de que os movimentos de rotação e translação da terra estão girando rápidos demais. Amanhece e logo anoitece. Parece que o ano começou ontem, mas este já é o último mês de 2015. A realidade hoje se chama dezembro, com sua mensagem de paz e amor, uma dupla de sentimentos atrelada para sempre ao Natal.   
     A natureza nos oferece sábias lições. O sol se põe aqui para nascer ali, em outro lugar do mundo. A lua não aparece cá, mas está acolá, em outro lugar do mundo. O tempo é eterno, atemporal. Somos nós que passamos por ele, atropelando os calendários e aprendendo a administras encantos e desencantos, sonhos e pesadelos, ilusões e desilusões.
           Nesse contexto, é tempo do meu pé de acácias amarelas promover uma festa aos que passam na minha rua. Nada mais oportuno, pois a cor amarela está relacionada ao otimismo e a coragem, ferramentas perfeitas para continuarmos nossa caminhada de bem com a vida. Cumprindo com sabedoria nossa missão no conturbado planeta Terra.
        Para você, leitor, leitora, boas festas, e que possamos, através de pequenos gestos que se tornam grandes, fazer com que o Natal seja um estado de espírito de todos os dias.  É dezembro outra vez. Assim Seja !

*****

REFLEXÃO
"Os melhores professores são aqueles que sabem se transformar em pontes, e que convidam seus alunos a atravessá-las." 
- Nikos Kazantizakis (1883-1957), escritor grego.

*****


DE TIMBAÚBA PARA O MUNDO - O casamento de Marcel Lacerda e Mayara Brandão de Albuquerque

----------

A Igreja de Nossa Senhora da Conceição, no bairro de Mocós, foi o cenário do casamento de Marcel Lacerda e Mayara Brandão de Albuquerque. Ele, médico veterinário, filho de Magnos Luiz Bezerra e Sueli Bezerra Lacerda, natural de Natal, RN, está radicado em Timbaúba há mais de um ano. Ela, Assistente Social, é filha de Rosinaldo Bezerra de Albuquerque, o conhecido Montilla, e Marluce Brandão de Albuquerque. A recepção foi realizada no condomínio da zona oeste. Tudo aconteceu no sábado, dia 05.
----------

Destino



Com seu sorriso contagiante, Mayara entrou acompanhada do pai. Abaixo, Luiz Felipe Viana Bezerra de Lacerda, filho do Marcel, portador das alianças.
----------
No roteiro musical, a bela canção "Pareço um Menino", de Fábio Jr.

Apenas você tem o dom de mudar meu destino.
É só me tocar com seus olhos pareço um menino.
Deitado em seu colo o mundo não me surpreende
Sou homem maduro, mas na sua frente não sou mais que um menino.

Você tem a luz que ilumina o nosso caminho.
Depois de você, descobri que não sou mais sozinho.
Você é o amor que a vida me deu de presente.
Sou homem maduro, mas na sua frente pareço um menino.

Você me abraça e a tristeza vai embora.
A dor que existe fica da porta pra fora.
A gente briga, mas é coisa que acontece,
logo o coração esquece porque a gente se adora.
----------

Entrada triunfal

Entrada triunfal. Um imenso tapete vermelho se estendia da entrada do condomínio à area do comes e bebes, onde ao lado um conjunto cantava grandes sucessos da MPB. 
----------

No dancing instalado à beira da piscina, Marcel e Mayara dançaram a valsa sob aplausos dos convidados, entre esses oitenta pessoas que vieram de Natal, RN. O perfeito jogo de iluminação transformou o local, que em sí já é muito bonito, num cenário de sonho. 
----------

O buquê


Quem pegou o buquê foi Nielma Hipólito, grande amiga da noiva.  
----------

O whisky
Todos os amigos do Marcel queriam o whisky, mas só um conseguiu segurar a caixa. Logo em seguida, a descontração tomou conta do espaço .

De repente, um som inesperado. Era uma hora da madrugada e Marcílio, um dos padrinhos da noiva, jogou-se na piscina. Seu exemplo foi seguido por outros horas depois, pois a festa durou até às seis horas da manhã do domingo. 
----------
Família
Os noivos e seus pais - Marluce, Rosinaldo, Mayara, Marcel, Sueli e Magnos
----------

Um sábado para recordar


Os noivos ladeados pelas madrinhas Vânia Barreto de Oliveira e Isabel Cristina de Araújo Macedo.
A alegria e a elegância de Isabel Cristina Vânia Barreto.
Mayara ladeada pelo casal Roseline Rattacaso e Petronio Netto.
----------
Mayara, João Janúario de Bulhões Junior e Nielma Hipólito.
----------
Carmem Daniele Araújo Ferreira Lima e Eduardo Henrique Gomes Ferreira Lima.
----------

----------

CRIANÇAS ESPERANÇA


Isabela, Artur e Theo, simpatia em dose tripla
Arthur, filho de Theo Henrique e Isabela Moura, estava empolgadíssimo para entrar na igreja. O entusiasmo continuou na recepção, quando pediu aos pais para ficar à vontade, livre do traje formal.
----------
Os irmãos José e Luiza, filhos de Irlandia Lemos e Givanildo Monteiro.
----------

EM NOME DA LUA 

          A mulher determinada que conheci ainda menina, filha do meu amigo Montilla, agora é uma senhora. A mulher determinada que em criança se assustava com a aproximação do doce Amon Kanon, meu primeiro cão da raça boxer, prometeu ao Marcel ser fiel na alegria e na tristeza, amando-o e respeitando-o por todos os dias de sua vida. 
          A lua, eterna, linda, soberana e nua, decorava o céu de Timbaúba. O relógio marcava quase três horas da madrugada do domingo, 06, quando saí da recepção pedindo a Deus que concedesse ao casal Marcel e Mayara toda a felicidade do mundo, em nome da lua, eterna, linda, soberana e nua. 
----------
"Pareço um Menino", uma canção para recordar o casamento de Marcel e Mayara, https://www.youtube.com/watch?v=TWC9ItM54oE


                                      
                                  *****

SESSÃO NOSTALGIA - Réquiem para Adalgisa Colombo e Luz Marina Zuluaga

      Adalgisa Colombo, Miss Brasil e vice-Miss Universo 1958, faleceu no dia 18/01/2013, aos 73 anos de idade. Luz Marina Zuluaga, Miss Colômbia, Miss Universo 1958, faleceu no começo deste mês, dia 02, aos 77 anos de idade. Como tributo póstumo a ambos os ícones da beleza universal, estou reeditando nesta secção a  SESSÃO NOSTALGIA de 07/03/2009, certo de que as duas Misses estão cumprindo uma nova missão em um dos fantásticos mundos criados por DEUS.


**********

sábado, 7 de março de 2009

SESSÃO NOSTALGIA - Adalgisa Colombo e Luz Marina, o cisne e a pombinha


Daslan Melo Lima

                   Setembro de 1958. A redação da empresa Diário de Notícias, responsável pela edição da revista Mundo Ilustrado, recebeu a visita de Luz Marina ZuluagaMiss Colômbia, eleita Miss Universo 1958. Entre a chegada e o coquetel, Luz Marina percorreu as dependências do moderno parque de arte gráfica, acompanhada de Adalgisa ColomboMiss Brasilvice-Miss Universo 1958.
          A viagem de catorze dias de Luz Marina ao Brasil foi patrocinada por Max Factor, um dos promotores do concurso Miss Universo. Luz Marina veio divulgar a nova linha de produtos de beleza de Max Factor, inclusive o lançamento de um batom com o nome Luz Marina.
          Simples, com um sorriso sem formalidades e uma naturalidade que encantou a todos, Luz Marina posou para os fotógrafos Campanella Neto e Adir Vieira. A revista Mundo Ilustrado de 04/10/1958, circulou com quatro páginas e nove fotos dedicadas à bela colombiana. O texto abaixo e as fotos em preto e branco foram extraídas da reportagem Luz Marina Quer Voltar Ao Seu Mundo De Verdade, de Maria de Lourdes Pinhel.



As duas mulheres mais belas do mundo de 1958 posando para Campanella Neto. Luz Marina usava um colar de contas brancas que dava três voltas no pescoço. Adalgisa Colombo portava um colar de cores variadas que dava sete voltas no pescoço.


          Luz Marina é simples, recatada, meiga, possui um charme que a todos cativa. Vendo-a é que podemos compreender – pondo-nos no lugar dos juízes de Long Beach – o porquê da sua vitória, o segredo do pontinho que tirou o cetro da nossa Adalgisa. 
         É que Adalgisa é bela - mas sabe que o é - tem classe, experiência, sabe posar, agradar aos fotógrafos, mas cada movimento seu é calculado, cada palavra estudada com antecedência, para produzir efeito. Ela é, sempre, a modelo profissional, com o sorriso e o andar da passarela.
         Luz Marina, ao contrário, é a moça que nunca sonhou ser eleita e encara o que lhe está acontecendo como uma aventura maravilhosa. Nada espera conseguir de vantajoso com a sua coroa e no próximo ano, quando for escolhida sua sucessora, voltará à sua casa, à sua vida, aos seus amigos – exatamente como era antes. 
          Luz não tem ambição: tudo que aspira é casar-se, ser uma ótima dona de casa e ter muitos filhos. Daqui a alguns anos terá alguns quilinhos a mais, uma família numerosa e um lar muito feliz.
          A diferença entre elas é que Adalgisa é altaneira como um cisne, e Luz humilde como uma pombinha. mas os juízes preferiram a sua espontaneidade e modéstia aos gestos estudados da nossa Miss Brasil.




          Luz Marina nasceu no dia 31 de dezembro, há 19 anos, na localidade de Pereira Caldas, na Colômbia. Estudava no Colégio de Religiosas de La Presentation, em Manizales, e sempre foi ótima aluna; freqüentava festinhas – sempre em companhia da sua Mama, a simpática D.Margarita – jogava tênis e montava a cavalo. 
          Jura que nunca teve namorado. Tem 4 irmãos: Herman, o mais velho, tem 25 anos e é o chefe da família desde a morte do pai; Oscar tem 22 e é o mais alegre; Jorge é o caçula, com 15. Amparo, de 16, é muito parecida com Luz - o que quer dizer que é belíssima, também. “No mais, no mais! Miss Universo, na família, basta uma” – diz-nos D.Margarita, assustada, quando lhe perguntamos se Amparo se candidataria ao título, daqui a alguns anos.

       Luz Marina é perfeita mignon – 1,63 de altura – bem proporcionada, tem a pele de uma linda tonalidade trigueira, olhos brilhantes e escuros, um pequeno sinal junto do lábio superior e uma boca bem desenhada, que está sempre entreaberta num sorriso. É a Miss menos Miss que se possa imaginar. Temos a impressão de que se sente envergonhada com tantas atenções e homenagens. Durante a visita às oficinas – onde assiste, encantada, à impressão do novo número do MUNDO ILUSTRADO – Luz interessa-se por tudo e conversa animadamente, sem demonstrar fadiga, embora esteja cumprindo um exaustivo programa que não lhe permite descanso algum.
         “O que mais queria era poder andar nas lojas e comprar algumas coisas lindas, de “recuerdo”. Mas não posso! Ontem, tentei sair, usando uns óculos escuros e um turbante. Mesmo assim, reconheceram-me logo! Tive de voltar correndo para o Hotel. Não sei como fazer1” – queixa-se, desanimada. Conta-nos que nunca, nem sonhando, imaginou ser eleita; estava felicitando Adalgisa pensando que ela fora a escolhida, quando recebeu a notícia. Quase desmaiou. Adora viajar, e gostou imenso dos Estados Unidos, mas não queria viver lá ,e muito menos tentar o cinema.




          “Tudo o que pretendo é voltar a ser eu mesma, casar-me e ter muitos “niños”. Gosto da vida de casa, de ler romances de amor, de dançar - e aqui no Rio aprendi o samba – de usar roupa esporte, de jogar tênis e andar a cavalo”.
          Luz Marina não é supersticiosa nem tem medo de andar de avião. Usa perfume “Nuit de Noell” e uma maquiagem muito suave. O seu hobby é colecionar caixas de fósforos, e tem predileção por anéis.É profundamente católica e o santo de sua devoção é São Judas Tadeu. O que mais detesta é ir ao dentista. Acha os “muchacos brasilenõs” maravilhosos diz-nos, sorrindo, que o seu futuro marido terá de ter bons sentimentos, ser trabalhador... e ganhar dinheiro. Para uma Miss Universo, até que não é muito exigente, não acham?
          Por fim, embora sempre amável, Luz Marina mostrava sinais visíveis de cansaço. Tirou os sapatos para repousar os pés, segurou a cabeça nas mãos, fechou os olhos. 
“Estou exausta! Daqui a pouco adormeço, nesta poltrona! Desde manhã ando nesta roda viva, e hoje ainda tenho três compromissos e à noite serei entrevistada na televisão. Quem me dera estar de volta á casa, descansando na fazenda...” 

          E explica-nos que essa fazenda, que a sua família possui nos arredores de Manizales, é o seu refúgio; lá é que vai repousar dos compromissos extenuantes e esconder-se dos admiradores. 
Prometeu aos irmãos que estará de volta no dia 31 de outubro para poderem apagar, juntos, as 20 velhinhas do seu bolo de aniversário.
              Luz diz-nos que espera voltar ao Rio, quando não for mais Miss Universo, para poder apreciar as belezas da nossa cidade e, como qualquer turista anônima, sair e fazer compras sem ser importunada pelos fãs. Mas isso será difícil, pois a uma moça tão bonita como Luz Marina - mesmo não tendo mais a coroa - é impossível passar despercebida. E terá de suportar, pelo menos, os galanteios e os ”fiu-fius” dos seus admiradores cariocas.

----------


Adalgisa Colombo em foto recente,extraída do site de Leila Schuster

          Adalgisa Colombo preparou-se intensamente para ser Miss Brasil. Perdeu a motivação para conquistar a coroa de Miss Universo quando se apaixonou pelo empresário Jackson Flores e com ele casou antes de terminar o seu reinado de Miss Brasil. No ano passado, recebeu uma homenagem durante a realização do Miss Brasil, pelos 50 anos do título. Na ocasião, declarou que estava muito emocionada mas que não ia chorar.
          Um cisne é um cisne.


Luz Marina em foto recente - Jornal El País

          Luz Marina foi até o final do seu reinado, casou tempo depois com o médico Enrique Vélez e teve quatro filhos. No ano passado, em sua Colômbia querida, deve ter recebido várias homenagens pelos 50 anos do título de Miss Universo. Nessas ocasiões, deve ter declarado que estava emocionada e se permitiu chorar.
          Uma pombinha é uma pombinha.


*****

sábado, 28 de novembro de 2015

" QUANTAS LÁGRIMAS DISFARÇAMOS SEM BERRO ? "

       O poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) jamais imaginaria que o seu poema “Lira Itabirana” seria profético. O rompimento das barragens da empresa Vale-Samacro, em Minas Gerais, é uma tragédia sem precedentes na história do meio ambiente brasileiro. O quadro é sombrio e pode resultar no fim do Rio Doce.  
      Quantas lágrimas disfarçamos sem berro? Nem o vento sabe a resposta.



O Rio? É doce.
A Vale? Amarga.
Ai, antes fosse
Mais leve a carga.

Entre estatais
E multinacionais,
Quantos ais!

A dívida interna.
A dívida externa
A dívida eterna.

Quantas toneladas exportamos
De ferro?
Quantas lágrimas disfarçamos
Sem berro? 



*****

"Só há felicidade se não exigirmos nada do amanhã e aceitarmos do hoje, com gratidão, o que nos trouxer. A hora mágica chega sempre."
- Herman Hesse (1877-1962), escritor alemão naturalizado suiço.

******

DE TIMBAÚBA PARA O MUNDO


MEMÓRIA TIMBAUBENSE - TÚNEL DO TEMPO - Escola Santa Maria, ano de 1970. De baixo para cima, Maria José Araújo, Vânia Regis, Matilde Barboza, Rejane Glória, Ana Maria Guerra, Anita Campos Dornellas Câmara Aldenice Silva. Uma foto  para a posteridade antes de uma apresentação de ginástica rítmica organizada pela professora Nilza Simões.  ***** Naquele ano, a seleção brasileira conquistava o tricampeonato mundial de futebol;  O Brasil perdia o comediante Oscarito e a música americana Jimmy Hendrix e Janis Joplin. O Brasil cantava “Se eu pudesse conversar com Deus”, de Antônio Marcos, e sete garotas timbaubenses nem se davam conta que iam sentir tantas saudades de um tempo que se foi, para sempre se foi.

*****
 
A poesia da Craibeira




Avenida Nilo Peçanha, por trás do Colégio Timbaubense, à margem do Rio Capibaribe-mirim. (Foto e versos de Daslan Melo Lima).
 
A imponente árvore semeia poesia
vestida  de esperança e alegria.
A velha Craibeira oferece simpatia 
aos que passam com apatia.
A sábia árvore espalha parceria
ao lado do silêncio e da correria.



*****
 

IDADE NOVA - A nutricionista Ana Glória Ferreira de Araújo, radicada há anos no Recife,  está sendo muito cumprimentada neste sábado, 28. Motivo: idade nova.  Única  mulher de uma prole de cinco filhos do casal Joel Monteiro de Araújo (in memoriam) e Maria da Glória Ferreira de Araújo, a timbaubense Ana Glória nasceu exatamente num dia de sábado, faltando dez minutos para meio-dia, ensolarado dia, como o deste sábado abençoado.

Fã incondicional de PASSARELA CULTURAL, Ana Glória sempre me visita quando vem à Timbaúba, oportunidade em que faz questão de cumprimentar Rock and Roll.

*****