a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 632, referente ao período de 13 a 19 de agosto de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefone: (81) 9.9612-0904 (Tim). ***** WhatsApp: +55 81 9.9612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 30 de abril de 2011

SESSÃO NOSTALGIA - STAËL ABELHA, A MISS BRASIL QUE TROCOU SEU REINO POR AMOR

-->
Daslan Melo Lima 

PRÓLOGO

               Uma mineira de Caratinga chamada Staël Maria da Rocha Abelha, apelidada carinhosamente pela família de “Telete”, filha do casal Álvaro e Maria da Glória Abelha, sobrinha do Monsenhor Rocha, terceranista de Direito, foi eleita Miss Brasil 1961. 

Staël Abelha - Capa da revista O Cruzeiro, 1º/07/1961
Ela escreve o nome com trema no “e”. Faz questão absoluta disso. E tem olhos castanhos, que não são profundos. No conjunto das 22 concorrentes, Staël saltou como o melhor estilo nacional. Com graça, sobretudo. Tudo isso numa modéstia tranquila. Somem: 1,70 de altura, 58 de peso, 98 de busto, 58 de cintura, 98 de quadris, 56 de coxa, 22 de tornozelo e 19 anos de idade. Adicionem ainda os tons imponderáveis, e eis Stael diante de vocês. (O Cruzeiro, 1º/07/1961)
Detalhe: Nas revistas pesquisadas para elaboração desta matéria, apenas a O Cruzeiro, de 1°/07/1961, escreveu o nome de Staël com o trema na letra "e".
 




Staël Abelha na capa da revista Manchete, de 08/07/1961.

Staël Abelha - Foto: Manchete, 08/07/1961

Após retornar de Miami Beach, onde não obteve classificação no Miss Universo, concurso no qual foi eleita Marlene Schmidt, Miss Alemanha,  Staël Abelha renunciou ao título apresentando sua carta-renúncia onde dizia que trocava seu reino por amor.

STAËL ABELHA, MISS BRASIL 1961, UNANIMIDADE DE OPINIÃO

Staël Abelha - Capa da Manchete, 1º/07/1961
               Um público estimado em 25.000 pessoas acompanhou ao vivo, no Maracanãzinho, Rio de Janeiro, a eleição da Miss Brasil 1961. Vinte e cinco mil juízes, no Maracanãzinho, elegeram a mineira Stael Miss Brasil-61. Pela primeira vez na história deste Concurso houve unanimidade de opinião. Beleza mineira de olhos castanhos tem hoje o título de a mais bela brasileira, pelo voto de 13 juízes e do público que lotou o Maracanãzinho, na maior e mais elegante noite da história do Miss Brasil. ( O Cruzeiro, 1º/07/1961).


Da esquerda para direita: Vera Maria Brauner (Miss Rio Grande do Sul, segundo lugar, representante do Brasil no Miss Beleza Internacional, em Long Beach); Staël Maria da Rocha Abelha, Miss Minas Gerais, primeiro lugar, representante do Brasil no Miss Universo, em Miami Beach); e Alda Coutinho de Morais (Miss Guanabara, representante do Brasil no Miss Mundo, em Londres)***** (Foto: Manchete, 1º/07/1961)

STAËL ABELHA, RECEPÇÃO APOTEÓTICA EM BELO HORIZONTE E CARATINGA


Cinco batedores abriram o cortejo que acompanhou a triunfal entrada de Stael em Belo Horizonte. Na frente, um carro com alto-falante tocava uma marchinha composta em homenagem a Miss Brasil: “Ai, Abelha/do meu coração/eu quisera um dia/ser o teu zangão.” Ela ficou o tempo todo de pé, num automóvel conversível, acenando alegremente para uma multidão de cem mil pessoas. O desfile terminou na Prefeitura, onde ela foi recebida pelo Prefeito Amintas de Barros e os vereadores concederam-lhe o título de “Cidadã de Belo Horizonte”. (Manchete, 08/07/1961)


Orgulhosa de ter sido o berço da linda representante do Brasil no concurso internacional de 1961 em Miami, a cidade de Caratinga recebeu apoteoticamente Stael Maria da Rocha Abelha. Eram 15 horas quando, sábado passado, Miss Brasil chegou, de avião, à Caratinga, sua terra natal. O dia era duplamente festivo: a cidade fazia 110 anos e recebia sua filha mais famosa. Cerca de 40 mil pessoas aclamaram a linda moça, em honra de quem foi organizado um grande préstito. Formaram todos os colégios e as bandas de música locais se incorporaram ao desfile. Seu carro alegórico, acompanhado a pé, pela multidão, do aeroporto à cidade, dirigiu-se ao palanque, onde o prefeito a esperava, com a chave da cidade. Caratinga, por sua estação de rádio, proclamou-se, então, a Capital da Beleza. E com isso culminou a apoteose a Miss Brasil. (Manchete, 08/07/1961)



Os mineiros estão muito orgulhosos de sua vitória no concurso de beleza e, por isso mesmo, cercam Miss Brasil das maiores provas de carinho. Em Belo Horizonte, o Banco de Crédito Real de Minas Gerais, visitado por Stael Maria da Rocha Abelha, ofereceu-lhe um cheque-presente de quinhentos dólares, para ajudar o custeio de sua viagem a Miami. Ofereceu-lhe, também, a chave de um cofre forte, para guardar o cetro de Miss Brasil, ou de Miss Universo se ela conquistar o título máximo. O Banco da Lavoura de Minas Gerais, por sua vez, ofereceu-lhe também um valioso presente: cem dólares, para as despesas com a ida aos Estados Unidos. Exprimindo sua gratidão, Stael declarou à reportagem de Manchete: “Só pelo prazer de sentir o carinho e a estima do povo de Minas Gerais valeria a pena ter vivido as angústias por que passei, até conquistar o título de Miss Brasil. Obrigada a todos!” (Manchete, 08/07/1961)

STAËL ABELHA, “MEU REINO POR AMOR”

Casamento une a Miss e o Deputado – Lua de Mel de Abelha (O CRUZEIRO, 18/01/1964)  

O romance Stael-Múcio Ataíde foi o grande assunto, na época do concurso Miss Brasil-61. Agora, a história chega a um final feliz.
Seu Cupido não há expert que o compreenda quando quer unir duas pessoas pelos laços indissolúveis: faz o seu trabalhinho à socapa, e, em dado momento, puf... o amor se encarrega do resto. Uma de suas artimanhas mais consagradas começou a ser elaborada em 1961 numa passarela de concurso de beleza e acabou com “happy end” ao compasso de marcha nupcial, agora em 1963. Múcio Ataíde, conhecido industrial que na época contava apenas 21 anos de idade, dizia sempre que só se casaria aos 40. Um dia precisou de moça bonita para apresentá-la como candidata do Pampulha Iate Clube ao concurso de Miss Minas Gerais. Stael Rocha Abelha, estudante de Direito, estava no sossego do seu retiro, na sua cidade de Caratinga, onde lecionava para a infância. Cupido deu o primeiro toque na sua obra. Ataíde brincou de piloto e, no seu próprio avião, foi buscá-la. Ela veio e brilhou. Pela primeira vez Minas Gerais levantou o título de Miss. O sucesso da passarela mineira iria se reproduzir jubilosamente no Maracanãzinho, de onde Stael Abelha saiu ovacionada ao conquistar o título de Miss Brasil. A esta altura do concurso, já o romance ganhava raízes cósmicas no coração dos dois jovens, circunstância que contribuiu para que a representante brasileira ao Miss Universo na undécima hora não quisesse mais seguir para Miami Beach. Foi um deus-nos-acuda, mas o bom senso acabou vencendo o coração. Depois muitos interurbanos foram feitos via Minas-States, durante vários e penosos dias de ausência e saudade. Afirmou-se na época que Stael, distante do seu eleito mineiro, não mais se interessou pelo concurso. Desfilou por desfilar, diante de americanos deslumbrados. Quando regressou ao Brasil, a sua entrevista foi uma bomba. Apresentou a sua carta-renúncia em que trocava “meu reino por amor”. Dois anos depois, Cupido, de dedo à cava do colete, deu chamas a esse discutido romance que agora teve um epílogo bonito na Igreja São José em Belo Horizonte. 


Staël Abelha de véu e grinalda, na capa da O Cruzeiro, de 18/01/1964
Dirigindo o seu próprio automóvel, um Aero-Willys azul-escuro, Múcio Ataíde, (integrante da bancada do PTB mineiro na Câmara Federal) chegou para o enlace, que se realizou com uma hora e cinco minutos de atraso. Como manda o figurino de sua grei partidária, chegou de mangas de camisa, só vestindo paletó à entrada do templo onde se realizaria uma das mais concorridas cerimônias religiosas da capital. Um batalhão de fotógrafos e cinegrafistas a postos focalizaram os mais variados aspectos do acontecimento. Fez-se ouvir o coro do madrigal renascentista, tendo oficiado o ato o bispo da diocese de Montes Claros, terra natal do noivo, D. José Alves Trindade. A noiva estava linda como sempre; e o noivo elegante. Ambos recrutaram para padrinhos pessoas humildes – a empregada Maria Cristina, o alfaiate Geraldo Gomes, o copeiro Francisco de Paula Pinto, o contínuo Jose Rios do Nascimento e sua esposa. Múcio Ataíde convidou também o Advogado Sobral Pinto, o Sr. Miguel Miranda, funcionário do seu escritório em Belo Horizonte, e sua irmã Florinda Ataíde Peres. O resto foi lua-de-mel em lugar tranqüilo, que os noivos fizeram questão de guardar em reserva.

                                                  STAËL ABELHA, 50 ANOS DEPOIS



      De 05 a 22 de outubro de 2010, na Casa Ziraldo de Cultura, em Caratinga, MG, foi realizada  a exposição “Stael Abelha, nossa eterna Miss Brasil”, trazendo fotografias e reproduções  de reportagens sobre a caratinguense que foi eleita a mulher mais bonita do Brasil no ano de 1961. Realizada pela Associação Estação de Cultural de Caratinga, com apoio da Prefeitura Municipal, a iniciativa foi do cartunista  Edra que partindo do seu acervo de publicações sobre a homenageada conseguiu o apoio do seu amigo Onair de Freitas, fotógrafo que cobriu o  evento daquela época, emprestando algumas de suas fotografias e exemplares das revistas “O Cruzeiro” e “Manchete”. Outro colaborador para o sucesso da mostra foi o presidente da CDL, Paulo Sérgio da Silveira, além de Cezário Baptista, de Jaguariúna, SP, que cedeu cópias de reportagens. Fonte: http://casaziraldodecultura.blogspot.com.br

EPÍLOGO

               Staël Abelha surpreendeu o país ao renunciar ao trono de Miss Brasil, um título cobiçadíssimo ainda hoje, quanto mais nos mágicos anos sessenta. Vera Maria Brauner, Miss Rio Grande do Sul, sua vice, segunda colocada no Miss Beleza Internacional, foi coroada oficialmente Miss Brasil 1961 em um programa de televisão.

               Espero que hoje, ao rever as revistas daquele inesquecível 1961, Staël Abelha, ao lado de algum neto curioso, possa dizer:  - Eu fui Miss Brasil, mas troquei meu reino por amor, não me arrependi e sou feliz, muito feliz. Que assim seja, Staël Maria da Rocha Abelha, a quem dedico esta SESSÃO NOSTALGIA da  última semana de abril de 2011.

*****

14 comentários:

Anônimo disse...

Que maravilha recordar Stael Abelha. Depois do casamento ela não apareceu mais na mídia. É a "Greta Garbo" da história do Miss Brasil.

C. Rocha
Floripa

DASLAN MELO LIMA disse...

Comentário de Muciolo Ferreira, jornalista, via e-mail
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Daslan,

Dois fatos nos chamam a atenção nessa Sessão Nostalgia dedicada a Stael Abelha: como eram bonitas as nossas misses do Brasil nos anos 60, e a presença de 25 mil pessoas lotando o Maracanãzinho, numa prova de interesse e prestígio que o certame despertava.

Atualmente, a competição não consegue atingir mais do que 3 dígitos de audiência televisiva na Rede Bandeirantes. E os ginásios que estavam sempre lotados deram lugar às casas de recepção que não comportam mais do que 500 pessoas para aplaudir sua preferida.

Alguma coisa está errada na organização do Miss Brasil. Deve ser por conta das maracutaias e pelo descrédito das pessoas, visto que a maioria das eleitas saem do bolso do paletó e do cartão de crédito de quem ofereceu mais pela ela vencer.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

ALEXIA disse...

Daslan,parabéns! Stael é a minha miss Brasil preferida.TODOS SEUS FÃS GOSTARIAM DE TER NOTÍCIAS DELA ATUALMENTE.O REINADO DELA ACOMPANHOU MINHA INFÂNCIA E TRAGO MARAVILHOSAS RECORDAÇÔES.OBRIGADA POR ESSE RETORNO,MOMENTO MÁGICO!

DEBORAH ABELHA disse...

Que bonita essa homenagem..

Alexia,
Minha avó está feliz sim. Depois de tantos tombos, seu esposo hj é uma pessoa mais humana. E a tem como rainha. Isso nos deixa muito felizes. Hoje essa bela dama, cuida de pessoas carentes,com a mesma simpatia de sempre e vive em paz com sua escolha.Ainda é convidada para entrevistas. Mas isso não é muito o feitio dela. E, obviamente, qualquer assunto da idia, seria dirigido ao seu marido. Sendo assim, a bela dama se nega.
Achei muito linda a homenagem.
Agradeço em nome dela.

Abraços fraternos,
Déborah Abelha

Anônimo disse...

Stael era belíssima, conheci-a pessoalmente em Caratinga e gostaria de saber como é a sua vida hoje, quentos filhos teve, onde vive e se é feliz.

Meu reino por um amor, valeu a pena? Como vive agora a sua velhice?

Anônimo disse...

Acompanhei de perto os concursos Miss Brasil até o início da década de 70, quando fui estudar no exterior e pouco a pouco me afastei do assunto. Lembro ainda, de forma vívida, a eleição de Staël Abelha no Maracanãzinho. Creio que foi a escolha mais unânime em toda a história do certame. A reação pública foi extraordinária. A não-inclusão de Staël entre as 15 semi-finalistas foi uma das óbvias injustiças do Miss Universo 1961. Achei uma pena Staël ter renunciado ao título de Miss Brasil, pois sua presença na mídia da época era das mais encantadoras. Fico feliz de saber que ela tem uma vida feliz e produtiva, dedicada à sua família e a obras de caráter social. Sempre a considerei uma mulher de forte personalidade, terna e linda, um ser humano autêntico.

Anônimo disse...

Convivi com ela, como professora de seus também encantadores filhos. Gostaria de ter o seu endereço, para reatar uma amizade que se formou na época. Desejo-lhe muita felicidade!

Anônimo disse...

A minha querida Stael desejo toda a felicidade do mundo! Fui professora de seus três encantadores filhos, e hoje, tenho muita saudade de nossa longa mas interrompida convivência. Gostaria de me comunicar com ela!

Marcos Antonio disse...

É sempre bom voltar a ver um foco em Staël. Minha já falecida mãe, que também era de Caratinga, foi babá dela. Um dia me levou na casa da mãe de Staël, que reconheceu minha mãe e ficou muito alegre com a visita. Creio que foi no ano de 1964. Ela foi muito gentil conosco. Mostrou todas as fotos, inclusive do concurso miss universo. Nunca me esquecerei disto.

Anônimo disse...

Olá, meu nome é Stael, moro no Distrito Federal e meu nome foi escolhido em homenagem a Stael Abelha.
Gostaria de saber se tem como eu ter acesso a alguma página ou a revista que fez reportagens à Stael Abelha, pois estou preparando uma festa de 50 anos e no mural de fotos terá a estória do meu nome e onde eu pesquisei não consta o nome dela junto à foto. Alguém pode me ajudar? Grata

Stael Rocha disse...

Também me chamo Stael Moura Rocha, tenho 52 anos, sou artista plástica, moro em São Bernardo do Campo-SP, e meu nome foi dado por meu saudoso e maravilhoso pai João Caminha Rocha, que me presenteou com este nome que adoro em homenagem a Miss Stael, e aproveitou o meu sobrenome igual. Fiquei encantada de ver fotos da Stael Maria Rocha Abelha, ontem e hoje, e saber com mais detalhes sua trajetória, além do que meu querido pai havia me dito.
E saber que ela continua muito bonita, e querida...

Pedro Carvalho disse...

Sinto-me honrado em ter nascido no mesmo local,Caratinga.Conheci a mãe da Staele seu pai Se.Alvaro,tenho 45 anos e na minha infância ,minha mãe fazia salgados e festas,uma de suas freguesas era D.Glorinha,que me chamava de seu neto,pois segundo ela éramos meio parecidos,se não me falha a memória,quando D.Gloria ia visitar Stael ou vice versa,ela sempre encomendava um prato especial,um delicioso bife a parmeggiana.Foi muito prazeroso ter visto essa Sessão Nostalgia.

Anônimo disse...

Lí toda essa reportagem dessa linda miss Stael Abelha;acreditem q eu estava acompandando esse dia da chegada dela em Caratinga....Viví momentos de Fada chegando naquele carro alegórico.Foi inédito aquele dia. Lembrança maravilhosa.Amei essa reportagem. Valeu!

Anônimo disse...

Fui amiga de infância da Stael e participamos de uma festa da cidade, em que dançamos O Minuetto no Clube Municipal.Tenho boas lembranças da nossa infância.
Eu fui amiga de criança da Stael e dançamos o Minuetto numa festa em Caratinga,no Clube Municipal.Eu vestida de Príncipe e ela de Princesa.

Gilda Guzella de Abreu Pinto