a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 621, referente ao período de 28 de maio a 03 de junho de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 99612.0904 (Tim) e (81) 99277.3630 (Claro) ***** WhatsApp: +55 81 99612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 6 de novembro de 2010

SESSÃO NOSTALGIA - CONCURSO MISS DISTRITO FEDERAL 1958

Por Daslan Melo Lima

PRÓLOGO

          Noite fria de sábado, 14 de junho de 1958. O Rio de Janeiro ainda era capital do Brasil e o Maracanãzinho estava em festa para eleger a Miss Distrito Federal. A responsabilidade de escolher a representante da Cidade Maravilhosa no Miss Brasil foi colocada nas mãos das seguintes  personalidades:  Dinah Silveira de Queirós (escritora), Mateus Fernandes (escultor), Gerson Pinheiro (diretor da Escola Nacional de Belas Artes), Waldemar Areno (diretor da Escola Normal de Educação Física), Reinaldo Reis (secretário do Prefeito Negrão de Lima), Nazareth (costureiro), J.G.de Araújo Jorge (poeta e ligado ao patrocinador do concurso), Alceu Pena (desenhista), Adolfo Graça Couto (presidente do  Country Club), Edson Varela (gerente dos Diários Associados) e Orlando  Mota (diretor do Diário da Noite, órgão dos Diários Associados). Como assessor do júri, sem direito a voto, estava Oscar Santamaria, juiz brasileiro do concurso Miss Universo.
                                                                         
Maracanãzinho, Rio de Janeiro, Distrito Federal, 14/06/1958. 
  Foto: D.Alexandre, revista O Cruzeiro, 21/06/1958.
           Dando início ao desfile, o locutor Hildon Gomes  disse que as candidatas eram moças das melhores famílias brasileiras,  enquanto a Banda de Fuzileiros Navais tocava “Cidade Maravilhosa” . Depois, a orquestra de Edmundo Peruzzi apresentou um repertório de músicas suaves.
          Candidatas ao título de Miss Distrito Federal: Adalgisa Colombo (Botafogo de Futebol e Regatas) * Anette de Oliveira (Madureira A.C.) * Avany Maura (Clube Militar) * Bernadette da Cunha (América F.C.) * Clara Lisboa (Marã Esporte Clube) * Denise Leyraud (Fluminense F.C.) * Édna Queirós (Social Ramos Clube) * Eline Rangel (Grajaú Atlético Club  * Ester Barbreuse (Faculdade de Medicina ) * Gina Blanco (A.A. Banco do Brasil ) *  Iara Marques Vasconcelos (Brazil Kennel Club) * Icléia  Calixto (Bangu Atlético Clube) *  Ivone Gonçalves (Clube da Aeronáutica) *  Ivone Richter, nome que apareceu escrito em muitas publicações como Ivone Ritcher (Riachuelo T.C.) *  Laine de Sousa Oliveira (Braz de Pina Country Club ) *  Lenira Ribeiro Ferreira (Escola Nacional de Educação Física) *  Lurdes Miguéis (Vitória T.C.) * Maria Júlia Alencastro Carvalho (Faculdade de Direito ) *  Marly Moreira (S.C.Anchieta) * Myrna Abi-Saber (C.R.Vasco da Gama) * Neide Toscano (A.A. Vila Isabel) * Rosana Tapajós (C.R.Flamengo) * Selma Pamplona (Clube Leblon) * Solange Bragas (A.A. Caixa Econômica) * Teresinha Araújo (Clube Municipal) * Vera Viana (Caiçaras) .
          Regina Rosemburgo, Miss Lagoinha Country Clube, adoeceu e estava com 39,9 graus de febre no dia do concurso, por isso não apareceu no Maracanãzinho. Regina Rosenburgo, mais tarde famosa como Regina Léclery, figura de prestígio no jet-set internacional, faleceu  em Paris, vítima de desastre de avião, em 11/07/1973.

AS CINCO FINALISTAS 
Adalgisa Colombo, Miss Botafogo, primeira colocada no concurso Miss Distrito Federal 1958. (Foto: Revista O Cruzeiro, 21/06/1958)
Da esquerda para a direita, em maiô, e na mesma sequência, em vestido de gala:  Ivone Richter , Miss Riachuelo, segundo lugar;  Ivone Gonçalves, Miss Clube da Aeronáutica, terceiro lugar; Avani Maura Fonseca, Miss Clube Militar, quarto lugar, e  Mirna Abi-Saber, Miss C.R. Vasco da Gama, quinto lugar. (Foto: O Cruzeiro, 21/06/1958).
As cinco moças finalistas no concurso para Miss Distrito Federal apareceram, em linha, no palco do Maracanãzinho, já de madrugada. O locutor foi dizendo, devagar, o resultado, do fim para o começo. Até que anunciou: Ivone Richter, Miss Riachuelo, no 2º lugar. Aí só restava uma: Adalgisa Colombo, Miss Botafogo. Adalgisa, muito pálida, sorriu vitoriosa. Baixou a cabeça em seguida. Houve um princípio de vaia no imenso ginásio de cimento armado. Cada ano, há essa vaia:  os clubes são muitos, têm as suas torcidas, nem todos se conformam. Adalgisa chorou, já com a faixa de Miss Distrito Federal. Enxugou com a mão as lágrimas que desciam pelas covinhas do rosto. Quando tudo acabou, saiu correndo para o camarim. Viu a mãe encolhida num canto, após a longa espera. Abraçou-se  com ela. “Não chore, minha filha – disse D. Percília. – A vaia não era para você. ” Os repórteres vieram atrás. Um deles perguntou à bela moça de olhos úmidos se a vida ia mudar muito com a eleição. A resposta foi assim: “Só até o sábado. Depois volta ao natural”. Sábado haverá outra multidão no Maracanãzinho: a eleição de Miss Brasil, promovida pelos Diários Associados, num patrocínio do Leite de Rosas. Adalgisa, senhora de si, assegurou: “Da próxima vez, vou tirar de muitos toda a má impressão”.
Quase todas as candidatas abraçaram Adalgisa vencedora. Nos bastidores, ainda havia mães insatisfeitas. Mas Ivone Richter, que tirou o 2º lugar, estava serena, com o olhar de sempre. Já era madrugada de domingo. Na manhã do dia seguinte, iam começar para Ivone, no colégio, as provas parciais, como se nada tivesse havido. As moças fora saindo, uma a uma, com seus embrulhos, vestidos, presentes, tristezas e alegrias. Lá fora, chovia fininho. Adalgisa, que tem 18 anos e sempre quis ser Miss, desde menina, reuniu também as suas coisas, deu o braço ao pai e à mãe, abriu caminho entre os que esperavam para vê-la, e foi para casa, com mais um campeonato para seu time, o Botafogo. (O Cruzeiro, 21/06/1959)

ADALGISA COLOMBO E IVONE RICHTER

Ivone Richter e Adalgisa Colombo
 Adalgisa Colombo, candidata do Botafogo de Futebol e Regatas, nasceu em Botafogo, tem 18 anos e as seguintes medidas: 1,69m, 56 Kg, 62 de cintura, 90 de busto, 91 de quadris, 56 de cosa, 21 de tornozelo, olhos e cabelos castanhos. Ivone Richter, Miss Riachuelo, segunda colocada, tem 1,67, 55 Kg, 61 de cintura, 90 de busto, 92 de quadris, 54 de coxa, 22 de tornozelo, 18 anos e olhos e cabelos castanhos.
Porque foi vaiada pelo público ao ser eleita Miss Distrito Federal 1958, Adalgisa Colombo chorou ao receber a faixa no Maracanãzinho e saiu correndo para o camarim, dizendo que “se tivesse sido derrotada estaria me sentindo como hoje, em que um júri me deu a vitória.”  O público vaiou Adalgisa Colombo porque preferia Ivone Richter, Miss Riachuelo, segunda colocada. Quando Adalgisa fazia pose na passarela, a pedido dos fotógrafos, era vaiada. Assim que Ivone Ritchter dela se aproximava, o público aplaudia, pretendendo dizer: “Essa sim!”         
Ao entrar no camarim, depois de eleita, e ouvindo muita gente dizer que o resultado fora “uma autêntica marmelada Colombo”, Adalgisa recebeu no rosto uma anágua jogada (depois ela soube) por uma das candidatas derrotadas. Ela quis reagir, mas um repórter a segurou e disse: “Adalgisa, você agora é Miss Distrito Federal!”
Com os olhos em lágrimas e vermelhos, desde que foi proclamada vencedora até voltar para casa, de madrugada, Adalgisa deixou-se fotografar demoradamente no Maracanãzinho e disse depois da vitória que ficara emocionada e “não esperava a péssima recepção que tive. Foi falta de educação de muita gente”. Rebatendo os que chamavam o concurso de “marmelada Colombo”, Adalgisa disse; “Não pedi nada a ninguém. A organização do concurso foi perfeita. Não contava, inclusive, com a vitória, porque pensava que Miss Riachuelo, que considero linda, fosse a vencedora”. Adalgisa disse que só duas ou três das vinte e seis candidatas não a trataram bem depois da vitória, Ela quer tirar “a má impressão  que muita gente teve de mim” e aproveitará, na eleição de Miss Brasil para mostrar suas qualidades. (Revista Manchete, 28/06/1958)

DETALHES

Além da faixa, Adalgisa Colombo ganhou um anel de platina francesa, com duas pérolas, branca e cinza. ***** O fotógrafo Paulo Santos, das revistas Confidencial e Escândalo, foi retirado do camarim das misses pela polícia. **** A irmã de Miss Vasco da Gama foi empurrada pela polícia quando estava no palco para retirar Myrna Abi-Saber em sinal de protesto. *** Seis dos onze votos do júri foram para Adalgisa Colombo. *** O poeta J.G.de Araúijo Jorge disse que não votou em Adalgisa Colombo e que o resultado deveria ter sido recebido esportivamente. ***** O patrocinador do concurso (Leite de Rosas) diria depois das vaias e dos apupos à Adalgisa Colombo que lamentava  os acontecimentos ,mas que não poupara dinheiro e esforços para o êxito do concurso. *** A polícia não deixou o pai de Miss Clube Militar ver a filha no camarim no fim da festa.  Ele reclamou dizendo: “Não tenho o direito de ver minha filha. É por isso que as famílias brasileiras resistem ao deixar que suas filhas participem de concursos”.   (Manchete, 28/06/1958) 
.....
Duas moças desmaiaram: Miss Esporte Clube Anchieta e Miss América. Algumas tremeram. Todas sorriram. O júri lá em cima, no palco, as observava, de lápis na mão, com uma folha de papel, para atribuir notas, segundo os seguintes itens: físico, beleza, graça, personalidade, desembaraço social. E depois vieram os maiôs. As meninas tinham ensaiado tardes inteiras, durante a semana. Estavam elegantes. O júri se trancou numa sala para resolver. Interrogou as candidatas, uma a uma. Cada qual teve de fazer um pequeno “speech “ sobre o que diria se fosse escolhida para representar o Brasil em Long Beach. Enquanto o resultado não vinha, elas esperavam. O público também. Ivone Richter, imperturbável, tomou o seu copo de leite. Logo mais se soube o veredicto: Adalgisa ganhara por seis a cinco. Quatro votos para Ivone Richter, um para Edna Queiroz. ( O Cruzeiro,  21/06/1958)

EPÍLOGO

          No dia 21/06/1958, Adalgisa Colombo foi eleita Miss Brasil e novamente teve de encarar milhares de protestos da maioria do público presente ao Maracanãzinho. A preferida era Sônia Maria Campos, Miss Pernambuco. A pernambucana ficou em segundo lugar, foi a primeira brasileira a disputar o título de Miss Mundo, onde conquistou o sétimo lugar, e terminou o seu reinado oficalmente como Miss Brasil 1958, pois Adalgisa Colombo , segunda colocada no Miss Universo, renunciou ao título para casar com Jackson Flores,
          Está escrito no livro "Feliz 1958. O ano que não devia terminar" de Joaquim Ferreira dos Santos (Editora Record-Rio de Janeiro, 1997): 
O jornalista Sérgio Cabral estreava como foca no Diário da Noite e diz que ainda guarda o rosto e o porte de Ivone Richter  como um dos acontecimentos mais sensacionais de figura feminina no Rio.”
          Vou concluir esta Sessão Nostalgia utilizando gírias daquele 1958. Foi um bafafá (confusão) aquele Miss Distrito Federal 1958. Ivone Richter tinha muito borogodó (charme),  mas para a experiente Adalgisa Colombo, eleita anos antes Miss Cinelândia, manequim da Casa Canadá e apresentadora de um programa de rádio, foi sopa no mel (fácil) encarar com desenvoltura a passarela do Maracanãzinho.

*****

7 comentários:

DASLAN MELO LIMA disse...

Comentário de Muciolo Ferreira, jornalista, via e-mail
>>>>>>>>>>

Daslan,

Esta edição da Sessão Nostalgia deve ser guardada por todas as pessoas que gostam e ainda curtem recordar os antigos concursos de miss. Sua pesquisa foi perfeita. Realmente,a Adalgisa Colombo foi bastante criticada e vaiada impiedosamente nos dois concursos.

Sobre o assunto, me vem a memória de uma tarde de verão, no final dos anos 80, no salão de chá do Hotel de Sol, em Boa Viagem. Conversávamos na maior animação eu, o jornalista Fernando Machado e a Miss Pernambuco 1956, Nelbe Souza, que anos depois se casou com Fernando Chateaubriand, um dos donos do condomínio dos Diários e Emissoras Associados, promotores do Miss Brasil. Em dado momento, e movidos pelo espírito jornalístico, perguntamos a Nelbe sobre detalhes da eleição da Miss Distrito Federal de 1958, vencido justamente pela candidata que menos agradou ao público.

Nelbe nos respondeu que também teve essa mesma curiosidade, isto anos depois, já casada com o Fernando Chateaubriand. E dele ouviu que naquele ano de 1958 os patrocinadores (e aí entra todo mundo e não apenas os Diários e Emissoras Associados) estavam compromissados com o Botafogo Futebol e Regatas e que os títulos tinham que ser dele. Os motivos? Isso nem ela sabia e não nos foram revelados.

Uma boa semana aos leitores do Passarela Cultural

Muciolo Ferreira - direto do Recife.

>>>>>>>>>>

Juliana Carneiro Ribeiro disse...

Gostaria de encontrar a Adalgisa Colombo urgente como faço?

Juliana Carneiro Ribeiro disse...

Gostaria muito de me reencontrar com a Adalgisa Colombo, como posso achar algum contato dela, minha mãe era muito sua amiga.

Juliana Carneiro Ribeiro disse...

Gostaria de entar em contato com a Adalgisa Colombo. Como faço?

DASLAN MELO LIMA disse...

Recado para Juliana Carneiro Ribeiro:
Gostaria muito de atender sua solicitação, mas desconheço o endereço de Adalgisa Colombo.

Adelino P. Silva disse...

Eu estava no Maracanãzinho na noite em que Adalgisa foi eleita. Não vaiei sua escolha, mas torci muito pela representante de Pernambuco, que achei mais bonita, mais charmosa... Parabéns pelo blog.

Anônimo disse...

Adorei!Lembro desse detalhes,por muito comentado durante a década 60,kkkkkk!Abraços,Japão