a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 646, referente ao período de 19 a 25 de novembro de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefone: (81) 9.9612-0904 (Tim). ***** WhatsApp: +55 81 9.9612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

domingo, 14 de fevereiro de 2010

SESSÃO NOSTALGIA - Vera Maria Silva, Miss Pernambuco 1967



Daslan Melo Lima

PERNAMBUCO, 1967

     Em 1967, Recife era a terceira maior cidade do Brasil. A capital pernambucana e os municípios que a circundavam, o chamado Grande Recife, totalizavam 1.300.000 habitantes. A cidade tinha vivido momentos dramáticos com a enchente do ano anterior e a restauração da monumental Ponte da Boa Vista, uma jóia da arquitetura metálica, toda de ferro batido, inaugurada em 07/09/1876, era uma das prioridades do prefeito Augusto Lucena (1916-1995).


A Ponte da Boa Vista sobre o Rio Capibaribe, centro do Recife, junho de 1967, interditada para as obras de restauração. (Foto: Geraldo Viola, revista O Cruzeiro, 10/06/1967)

          Pernambuco tinha uma população superior a 4 milhões e 500 mil habitantes e o Governador Nilo Coelho (1920-1983) estava empenhado em integrar o Estado na coletividade do Brasil industrial.


CLUBE INTERNACIONAL DO RECIFE, 20/05/1967


Vera Maria Silva, Miss Circulo Militar do Recife 1967, e sua antecessora, Raiolanda Castelo Branco. ***** Foto: Arquivo/Fernando Machado



Vera Maria Silva
Vera Maria Silva, Miss Círculo Militar do Recife, Miss Pernambuco 1967, na passarela do Clube Internacional do Recife, vestindo um modelo desenhado por Marcílio Campos. (Foto: O Cruzeiro)

          Clube Internacional do Recife, noite de 20 de maio de 1967, eleição da Miss Pernambuco 1967, um evento beneficente com renda destinada ao  Instituto Guararapes, entidade beneficente dirigida por  Nair Borba. *****  Candidatas: Vera Maria Silva (Circulo Militar do Recife), Lourdinha Nunes (Clube Intermunicipal de Caruaru), Ieda Arruda Alencar (Clube Internacional do Recife), Maria das Graças Pinheiro (Clube Náutico Capibaribe), Maria Amélia Almeida (Santa Cruz Futebol Clube), Lúcia Santa Rita (Sport Club do Recife) e Meire Ferreira Lima (Clube Português do Recife). ***** Comissão julgadora: Jaqueline de Hanazel , Carmen Tartaruga, Eneida di LemosZélia Peixoto, Abelardo Rodrigues, Edwal Carvalho e Hilton Mota. ***** Atrações musicais:  Claudionor Germano, Nadja Maria e a Orquestra de José Menezes. ***** Resultado do Miss PE 1967: Vera Maria Silva, Miss Circulo Militar do Recife,  primeiro lugar; Maria das Graças Pinheiro , Miss Clube Náutico Capibaribe, segundo; e  Lucia Santa Rita, Miss Sport Clube do Recife, terceiro lugar.

BONS VENTOS LEVARAM VERA

          A revista O Cruzeiro, de 10/06/1967, circulou em todo Brasil com um caderno especial dedicado ao desenvolvimento do nordeste. Em uma das páginas, na matéria “Bons Ventos Trazem Vera”, de maiô, sorridente, posando ao lado de uma jangada, estava Vera Maria Silva, a segunda Miss Círculo Militar do Recife a ser eleita Miss Pernambuco. A primeira tinha sido Raiolanda Castello Branco, no ano anterior, vaiada no Maracanãzinho, no desfile da eleição de Miss Brasil, por causa do sobrenome, idêntico ao do Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco (1897-1967), o primeiro Presidente brasileiro do Golpe Militar de 1964.


A poética legenda da foto de Vera Maria Silva, publicada na revista O Cruzeiro, de 10/06/1967, insinuava que a Miss Pernambuco viajaria ao Rio de Janeiro de jangada e que talvez a embarcação retornasse só, pois Vera Maria poderia ser eleita Miss Brasil. BONS VENTOS TRAZEM VERA - Vera Maria Silva, gaúcha de Porto Alegre, é a nova Miss Pernambuco. Concorreu pelo Círculo Militar e foi eleita também Miss Simpatia. Agora, Maracanãzinho. Talvez a jangada volte só.

VERA MARIA SILVA, 
DETERMINAÇÃO E BOM HUMOR

    Filha de um oficial do Exército que servia no Recife, a gaúcha Vera Maria Silva, hoje senhora Francisco Antônio Pereira Dias – um coronel do Exército – recorda, bem humorada, a finalíssima do Miss Pernambuco em 1967, quando teve de enfrentar as ruidosas torcidas de Lúcia Santa Rita, Miss Sport, e Maria das Graças Pinheiro, candidata do Náutico. 

  - Eu havia me inscrito no concurso por insistência dos amigos do Círculo Militar, clube que representei, e jamais poderia imaginar que teria forças suficientes para manter o sorriso após ser anunciada a minha vitória e desfilar sob vaias de tudo que era lado das duas torcidas. Mesmo assim não me abalei, lembra Vera, recordando uma outra batalha que tinha pela frente: perder muitos quilos e corrigir suas medidas que estavam muito acima das exigidas pela produção do Miss Brasil.

(Trecho da reportagem “Misses de outrora: a beleza permanece na alegria de viver”, de Fernando Machado e Muciolo Ferreira, Jornal do Commercio, Recife, 17/05/1986)

BONS VENTOS TROUXERAM VERA


Em 15/07/1967, a imagem de Vera Maria Silva voltou a ilustrar as páginas da revista O Cruzeiro. No esplendor dos seus 18 anos de idade, Vera exibia as seguintes medidas: 1,68 cm de altura; 92 cm de busto; 62 cm de cintura; 92 cm de quadris; 57 cm de coxa e 58 quilos.

          Vera Maria Silva viajou com muito entusiasmo ao Rio de Janeiro para disputar o Miss Brasil, mas não figurou entre as semifinalistas. A vencedora foi Carmem Sílvia de Barros Ramasco, Miss São Paulo, embora a favorita do público tenha sido Anísia Gasparina da Fonseca, Miss Brasília, quarta colocada.Vera Maria Silva retornou ao Recife e teve destacada atuação na sociedade pernambucana, tudo de acordo com os valores de uma jovem de boa família, filha de militar e estudante do curso científico.

VERA MARIA SILVA, 
A BELEZA PERMANECE NA ALEGRIA DE VIVER


Na imagem acima, quatro rainhas da beleza pernambucana, reunidas durante um chá realizado no Recife Palace Hotel, no dia 16/04/1986. Da esquerda para a direita: Edilene Torreão, Miss Pernambuco 1960, terceira colocada no Miss Brasil e semifinalista no Miss Mundo 1960; Jerusa Farias, Miss Pernambuco 1969; Vera Maria Silva, Miss Pernambuco 1967; Raiolanda Castello Branco, Miss Pernambuco 1966. (Foto: Jornal do Commercio-Recife, 17/05/1986)

“...muitas dessas mulheres têm uma história para contar dos tempos de Miss. Uma coisa elas têm em comum: a beleza. Diferentes, só mesmo as almas, o imponderável da beleza.”
(Trecho da reportagem “Misses de outrora: a beleza permanece na alegria de viver”, de Fernando Machado e Muciolo Ferreira, Jornal do Commercio, Recife, 17/05/1986)

Quatro rainhas da beleza pernambucana durante evento beneficente, em 1995. Da esquerda para a direita: Simone Augusto, Miss PE 1985 e Miss Brasil Mundo 1987; Zilene de Sá Torres, Miss PE 1977; Vera Maria Silva, Miss PE 1967; e Raiolanda Castelo Branco, Miss PE 1966. **** Foto: Arquivo/Fernando Machado.

PERNAMBUCO, 2010 

          Recife tem 1.561.659 habitantes e é a nona maior cidade brasileira. O prefeito João Costa tem como uma de suas metas ver o centro da cidade e o bairro do Recife Antigo ocupados por escritórios e empreendimentos dos empresários ligados ao Porto de Suape e à Copa do Mundo de 2014. As águas do Rio Capibaribe não ameaçaram mais a estrutura da Ponte da Boa Vista e a poesia reina no centro do Recife, o que é normal, em qualquer época, de janeiro a janeiro, no Natal, no Carnaval...


A Ponte da Boa Vista sobre o Rio Capibaribe, centro do Recife, na manhã de 13/02/2010, quando do desfile do Galo da Madrugada, o maior bloco carnavalesco do mundo. (Foto: DML/Passarela Cultural)

          Pernambuco tem uma população de 8.810.256 habitantes e o Governador Eduardo Campos faz questão de afirmar que seu Governo busca o equilíbrio fiscal e o faz sem esquecer que o equilíbrio nas contas de nada serve se o Estado não for capaz de oferecer serviços públicos de qualidade à população.

          E quanto ao concurso Miss Pernambuco, quarenta e três anos depois de Vera Maria Silva ter sido eleita, lindas jovens, inclusive filhas de oficias do Exército, ainda sonham com o mágico título de Miss.

*****

9 comentários:

DASLAN MELO LIMA disse...

Comentário de Muciolo Ferreira, jornalista, Recife-PE, via e-mail.
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Daslan,

Naquele tempo, a candidata tinha que ser bonita e ter pesonalidade. Não existiam essas figurinhas carimbadas chamadas "agentes". Quem cuidava das misses eram suas mães, não existindo o figurão que chama de "patrocinador". No máximo era um diretor social da agremiação ou cidade que as jovens representavam.
Tão diferente dos dias atuais que nem é bom alongar o comentário. Porque surgiriam muitas histórias escabrosas que não condizem com o espaço do PASSARELA CULTURAL.

Abraços,

Muciolo Ferreira

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

David Dias disse...

Gostei muito da publicação. Primeiro, pelo pano de fundo histórico. Muito boa a contextualização do tema. E segundo, pois fiquei super feliz de ver e sentir um pouco do que minha viveu naqueles dias. Abc., Parabéns. David Dias

DASLAN MELO LIMA disse...

Recado para David Dias:

O texto do seu comentário saiu truncado. Você disse "...um pouco do que minha viveu..."

Com certeza você quis dizer, "...um pouco do que minha mãe viveu..."

Devido ao seu sobrenome, Dias, vi que se trata de um filho da Miss Pernambuco 1967, esposa do Cel. Antonio Francisco Pereira Dias.

Um abraço.

Daslan Melo Lima
e-mail: daslan@terra.com.br

daniel dias disse...

Como sou o mais novo da linhagem e a idade ainda nao afetou minha memoria nao vou esquecer do "mãe" (rs)
Comecei a ler o texto, vendo a foto da ponte, sentindo o momento da epoca, me transportei... e lendo mais um pouco surge entao a foto de minha mãe. Mas ainda nao tinha caido a ficha... li mais um pouco. Entao, voltei na foto, olhei com mais calma... e senti uma emoçao muito forte (nao consegui segurar muito), ver minha mae ali, linda, sorrindo, lembrei de todas as qualidades dela, como a pessoa linda que ela é, como mae, minha mae...
Tudo está muito bonito, as fotos, a contextualização, como disse: me transportei. Parabens pela publicação e obrigado por me ter permitido ver e sentir o que estava meio que escondido no peito e na memória, pela correria dos estudos e distancia dos meus pais.
Muito obrigado
Daniel Dias

Nadia disse...

Verinha, gostamos muito de ver a reportagem de miss Pernambuco 1967 Voce continua linda!! Um grande beijo das amigas Eneide e Nadia

DASLAN MELO LIMA disse...

Recado para o Daniel Dias:
>>>>>>>>>>

Confesso que estou emocionado em ver aqui mais um comentário de um filho da eterna Miss PE 1967.

Colecionar recortes de jornais e revistas sobre concursos de Misses é um passatempo que me acompanha desde a adolescência. Semanalmente, resgato a história de uma grande Miss do passado em PASSARELA CULTURAL.

Não conheço pessoalmente sua mãe. Gostaria que recomendasse a leitura desta singela homenagem a ela. E, se possível, fazer a "ponte virtual" entre a Miss e o fã, a fim de que eu pudesse entrevistá-la, via e-mail, pelo menos, e transformar o material em uma nova e grande Sessão Nostalgia em torno da gaúcha mais pernambucana que Pernambuco já teve.

Grato por sua atenção.

Daslan Melo Lima
e-mail: daslan@terra.com.br

Alaíde disse...

me recordo muito bem dessa data tao importante para vera,e hoje lembro co saudades da queles tempos.onde pode conviver com sua pessoa. Alaíde

Helayne (NANA) disse...

Garota do Fantástico 1.9.8.5 / Miss DF 1.9.8.5
Olá querido Daslan! ! !
Viva de forma que ao falarem em sinceridade, bons valores, postura, respeito, elegância, generosidade, gentileza, bondade, caráter, integridade... As pessoas simplesmente lembrem de... VOCÊ!!!
Um gradiosíssimo abraço,
Helayne Cardoso

Obs:depois deixarei um doce comentário sobre a Maria Veras Silva, Miss Pernanbuco 1967.

Anônimo disse...

Helayne,bonito e profundo comentário(raro hoje em dia).Japão.PS:quanto à reportagem,é muito bom rever e ler:saber mais.Abraços,Daslan.